Bahia, 23 de maio de 2024

(71) 3358-1791 Alternate Text (71) 98300-1075 sinepe-ba@sinepe-ba.com.br

Área Privativa:

AFETADOS PELA PANDEMIA, ALUNOS CHEGAM AOS ANOS FINAIS DO FUNDAMENTAL COM PROBLEMAS DE ALFABETIZAÇÃO

Já faz mais de dois anos que as aulas presenciais voltaram a ser rotina nas escolas completamente, mas os esforços para recompor a aprendizagem perdida no período de isolamento seguem vivos. Em todas as redes de ensino, iniciativas como a criação de turmas especiais, laboratórios e projetos, ligadas especialmente às áreas de língua portuguesa e matemática, se consolidaram, a fim de enfrentar uma realidade que consiste em conhecimentos insuficientes e problemas de alfabetização entre alunos dos Anos Finais do Ensino Fundamental. Em 2021, um estudo da Unicef – braço da Organização das Nações Unidas (ONU) voltado para assuntos relacionados à infância – indicou que crianças de seis a 10 anos eram as mais afetadas pela exclusão escolar ocorrida na pandemia. Três anos depois, as mesmas crianças, hoje com 10 a 14 anos, refletem a interrupção dos processos de aprendizagem.
Na Escola Municipal Wenceslau Fontoura, no bairro Mario Quintana, em Porto Alegre, os docentes perceberam que muitos alunos pararam de frequentar as aulas durante a pandemia e, com isso, perderam dois anos de estudos. Como a orientação geral era de não reprovar os estudantes, uma vez que, especialmente em instituições públicas, o problema era a dificuldade de acesso à internet para fazer as atividades, o resultado foi que muitos chegaram às salas de aula, em 2022, com uma lacuna de dois anos de aprendizagem, mas duas séries à frente do que em 2020.
Percebendo a situação, a Wenceslau Fontoura foi pioneira ao reunir em uma turma – na época, de quarto ano –, em 2022, aqueles estudantes ainda não alfabetizados, para receberem uma atenção especial. O resultado tem sido positivo.
— Dizíamos para eles que todos ali tinham condições de aprender e que estávamos ali para superar aquelas dificuldades. Aos poucos, eles foram melhorando. No ano seguinte, foram para o 5º ano também naquela turma diferenciada. No final do ano passado, chegamos ao conselho de classe e avaliamos quais os resultados, e percebemos que alguns já puderam migrar para a turma regular — relata Denise Bruneta Cerva, supervisora educacional da escola.
Nas Turmas de Diferenciação Pedagógica, além de um olhar mais apurado para a alfabetização, os materiais didáticos são adaptados. No 6º ano, por exemplo, os textos passados pelos professores são mais curtos e a letra usada é sempre bastão, já que há quem ainda não domine a fonte cursiva.
Na rede municipal de Canoas, na Região Metropolitana, a professora de língua portuguesa Gabriela Moch percebeu que seus alunos do 6º ano, na Escola General Osório, voltaram do período pandêmico com, praticamente, dois anos de lacuna em seu processo de alfabetização, além de um vício no uso de aparelhos eletrônicos que dominou as famílias. Por isso, idealizou um projeto que permitisse que, ao mesmo tempo, as crianças desenvolvessem o hábito da leitura e tivessem momentos de partilha com seus parentes.
— O Meu Amigo Livro é uma forma de eles se conectarem com o papel, com a família, voltarem para o analógico, saírem das redes sociais e desenvolverem hábitos que são saudáveis tanto para a questão do convívio quanto para o desenvolvimento da leitura, que abre tantas portas, desenvolve o nosso cognitivo, a linguagem, traz conhecimentos — descreve a docente.
Gabriela selecionou alguns títulos e suas sinopses. A turma, então, escolheu três como “mascotes”. Em grupos, os estudantes decoraram uma caixa e um diário de registros, os quais, junto com a obra, vão para a casa de um aluno por semana. A orientação é que a criança faça uma leitura compartilhada com algum familiar. Ao final, a dupla deve escrever suas impressões sobre o conteúdo.
A educadora ressalta a dificuldade dos estudantes de escolas públicas em ter acesso adequado, durante a pandemia, às aulas remotas. Pelos seus cálculos, hoje, os alunos do 9º ano têm habilidades que variam entre o esperado para turmas de 7º, 8º e 9º ano, a depender das condições de aprendizagem de cada criança naquela época. Para dar conta das lacunas, foram feitas adaptações curriculares – os livros selecionados para esse projeto, por exemplo costumavam ser trabalhados no quarto ou no quinto ano.
— Se eu trago um livro maior para um aluno de 6º ano que não teve toda essa bagagem (de leitura e alfabetização), ele vai se assustar: “não é o que eu gosto, eu não quero, eu não entendo, eu não consigo”. Aí, eu afasto o aluno da leitura. Se eu trago uma obra que seria, talvez, mais adequada a uma idade menor, consigo aproximar a criança, que vai dar conta daquilo, vai se interessar mais por aquele livro e, com isso, o objetivo, que é desenvolver o hábito da leitura, vai ser mais facilmente atingido — sintetiza Gabriela.
Docente da Faculdade de Educação (Faced) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e vice-líder do Grupo Aula: Alfabetização, Linguagem e Ensino, Luciana Piccoli participa de duas pesquisas sobre o impacto da pandemia na aprendizagem: um estudo mais amplo, sobre os conhecimentos da etapa dos Anos Iniciais de modo geral, realizado pela Faced, e outro focado especificamente na alfabetização, feito em rede por mais de cem pesquisadores de mais de 30 universidades.
Uma das iniciativas que Luciana identifica como mais bem-sucedidas é o projeto Ateliê Alfaletrar, da prefeitura de Novo Hamburgo. A proposta é que uma pedagoga atenda, no turno inverso, estudantes do 4º ao 9º ano do Fundamental, para sanar a angústia dos professores ao ver alunos já mais velhos sem a devida alfabetização.
— Quando começamos a fazer essa pesquisa sobre o impacto da pandemia, várias escolas começaram a nos chamar com demandas dos Anos Finais, porque o professor dessa etapa não é alfabetizador. Mesmo aquele formado em Letras, ele vai trabalhar com leitura, produção de texto para crianças já alfabetizadas. Então, esses professores não sabem como ajudar as crianças não alfabetizadas. Eu gosto muito do trabalho em Novo Hamburgo porque é muito personalizado, o que é possível em grupos pequenos — explica Luciana.
A atividade acontece utilizando diferentes recursos didáticos, como jogos que estimulam a alfabetização e o gosto pela leitura e a escrita, a partir de instrumentos diferentes dos convencionais. O objetivo é, além de desenvolver a aprendizagem, melhorar a autoestima escolar daquela criança.
Luciana entende, porém, que nem toda família que consegue levar o estudante para atividades no turno inverso, o que eleva a importância da oferta de ensino em tempo integral.
— Seria necessário que essas crianças fossem colocadas como prioridades nas políticas de educação, porque essas crianças são aquelas que mais estão precisando de ajuda e de uma mediação intencional. Elas precisam de uma professora muito qualificada, porque ela provavelmente vai se deparar com uma série de casos não “só” de defasagem do período pós-pandêmico, mas de dificuldades de aprendizagem e até deficiências não diagnosticadas — observa a professora da UFRGS, salientando que, caso esse olhar não exista, esses estudantes não conseguirão ser reintegrados de fato à educação tradicional.
A docente alerta que esse trabalho não acontece do dia para a noite: é um trabalho de “formiguinha”, que precisa ser feito em parceria entre a pedagoga, os professores dos Anos Finais, a coordenação pedagógica, a orientação, a direção e a Secretaria de Educação.
Fonte: portal de notícias GZH

Voltar

Endereço

Av. Antônio Carlos Magalhães, 1034
Edifício Pituba Parque Center
Salas 131 a 134, CEP: 41858-900
Salvador - BA

Contatos

Telefone: (71) 3358-1791 e 3358-7422
Alternate Text (71) 98300-1075
E-mail: sinepe-ba@sinepe-ba.com.br
Instagram: sinepeba

Filiado à:
Alternate Text

Tecnologia:
Alternate Text

© Todos os direitos reservados - Publicação do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia
SINEPE/BA Powered by Colégio 24 Horas